quarta-feira, 13 de maio de 2015

[PB68] A longevidade da geografia teorética e quantitativa: trilogia descritiva de um caso europeu (parte três)

Geografia (Rio Claro/SP)
[volume 40, número 1, p. 5-34, Jan./Abr. 2015]
ARTIGO EM QUE APRESENTAMOS A HISTÓRIA DE UM CENTRO PIONEIRO, DIFUSOR DOS IDEÁRIOS DA "NOVA GEOGRAFIA" (SOBRETUDO AQUELES A VER COM O SISTEMISMO E A MODELAGEM MATEMÁTICA) - CENTRO PARA ONDE, CURIOSAMENTE, AINDA HOJE CONFLUEM OS PRATICANTES DE UMA GEOGRAFIA TEORÉTICA E QUANTITATIVA. TRATA-SE DE ENCONTROS MANTIDOS ININTERRUPTOS DESDE OS ANOS 1970. ESTA TERCEIRA E ÚLTIMA PARTE DA HISTORIOGRAFIA APRESENTA O CASO DOS "ENCONTROS THÉO QUANT", QUE VÊM A SER A VERSÃO ATUAL DOS ANTIGOS "COLÓQUIOS DE MÉTODOS MATEMÁTICOS". COMENTANDO O QUADRO DE MATÉRIAS TRATADAS NESTAS REUNIÕES AINDA CORRENTES, APONTAMOS OS SINAIS CATEGÓRICOS DA LONGEVIDADE DO IDEÁRIO TEORÉTICO EM SOLO EUROPEU.
[extrato: "Mais além do papel de divulgar recentes empreendimentos técnicos e intelectuais
(talvez até o propósito que mais imediatamente vêm à cabeça e mobiliza a gente
participante), o ThéoQuant simboliza a fertilidade inerente à incidência de visões (agora,
talvez, o propósito menos espontaneamente lembrado, mas certamente por todos
admitido). A própria anfitriã das primeiras edições, Maryvonne Le Berre, convicta da
essencial função daquele fórum, enalteceria/reafirmaria insistentemente, em editoriais,
sua razão de ser: a promoção do encontro (e confronto!) de pontos de vista de
diferentes gerações. Gerações que acabam sendo de diferentes países europeus ... e
pontos de vista que dizem respeito tanto à operacionalidade técnica (ou significância
epistemológica) dos instrumentos, quanto a sua conveniência ao tratamento de temas
concretos mais prementes ..." (27)]
Link: http://repositorio.unb.br/handle/10482/21859

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

[PB67] Aspectos históricos da fotografia e realizações em geografia

Geografia e fotografia (Org.: Valdir A. Steinke; Dante F. Reis Jr.; Everaldo B. Costa)
[Brasília: eLAGIM, 2014. 222p. (p. 11-44)]
CAPÍTULO QUE FAZ UM MOSTRUÁRIO PANORÂMICO SOBRE A HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA - CONTUDO, CHAMANDO A ATENÇÃO MAIS PRECISAMENTE PARA O USO DA GRANDE DESCOBERTA NOS TRABALHOS CIENTÍFICOS. SÃO PRESUMIDAS, NESTE SENTIDO, AS FUNÇÕES-CHAVE QUE O PROCEDIMENTO FOTOGRÁFICO VEIO A PODER CUMPRIR TAMBÉM EM CIÊNCIA (E SOBRETUDO A FIM DE AUXILIAR AS PRÁTICAS DEMONSTRATIVAS). ESSA INTRODUÇÃO GENÉRICA É SEGUIDA DA APRESENTAÇÃO DO "CASO GEOGRAFIA", QUANDO ENTÃO COMENTAMOS ALGUNS EPISÓDIOS SIGNIFICATIVOS E NOTÁVEIS PERSONAGENS.
[extrato: "Já numa aproximação com a Geografia, num misto de ciência e arte, há o muito simbólico caso das fotografias de viagem e exploração. Ainda antes da vulgarização do daguerreótipo, o instrumento já vinha sendo empregado, por exemplo, num dos mais particularmente “geográficos” objetos de registro: a inventariação de patrimônios. Naturais e culturais. De acidentes da natureza a obras de arquitetos. Acidentais descobertas ou encomendas. A ver com estas últimas, temos o famoso caso da Missão Heliográfica francesa, nos anos 1850; incumbida de fazer o diagnóstico do estado de conservação do patrimônio arquitetônico, em mais de cem lugares visitados." (p. 18-19)]
SOLICITE UMA CÓPIA! (dantereis@unb.br)