sábado, 19 de novembro de 2016

[PB75] Um modelo de classificação e de periodização dos estudos científicos em geografia

XV Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia
[16-18 Nov. 2016, UFSC, Anais, 13f.]
DIVULGAÇÃO DE MODELOS, PELOS QUAIS PROPOMOS O TRATAMENTO DIDÁTICO DE TÓPICOS DE HISTÓRIA E DE FILOSOFIA DA CIÊNCIA GEOGRÁFICA ... MEDIANTE: (1) REARTICULAÇÃO LÓGICA ENTRE ALGUMAS TERMINOLOGIAS DE EMPREGO FREQUENTE MAS DESCUIDADO (POSTO QUE APARENTAM SER MUTUAMENTE SUBSTITUTIVAS) - “SISTEMA DE PENSAMENTO" (SP), VERTENTE” (V)CORRETE (C) E MATIZ” (M) - ; (2) REARRANJO DOS GRANDES MARCOS” DA HISTÓRIA DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO NUMA LINHA TEMPORAL SIMPLES MAS SUGESTIVA ; E (3) CARACTERIZAÇÃO GERAL DE UM CAMPO QUE CONFIGURARIA O ÂMBITO DE AÇÃO DOS ESTUDOS ESPECIALMENTE DE “GEOGRAFIA DA CIÊNCIA” (CASO QUE PROPORÍAMOS COMO “EXCLUSIVO” PARA O USO PARTICULAR DO TERMO “ESCOLA”). OS DOIS PRIMEIROS ASPECTOS SÃO MODELOS QUE DIZEM RESPEITO A UMA EPISTEMOLOGIA DA GEOGRAFIA” ; ENQUANTO O TERCEIRO, A UMA EPISTEMOLOGIA “GEOGRÁFICA”.
[extrato: "Realizada a 'derivação' encontramo-nos, por fim, no baixo terreno do pensamento e da prática científicos. Por esta planície mundana escoam todos aqueles canais que serão, em última análise, 'rebatimentos' (no plano agora das investigações normatizadas) de SP’s e V’s ascendentes. É nesta planície ou campo aberto que localizaremos a atuação de uma ciência. E chamaremos 'Corrente' cada possível manifestação (já, é claro, embebida em projetos aplicados e/ou resolutivos) de pensamentos filosóficos redivivos. Ela consiste, então, de uma 'tendência' verificada dentro de um campo científico.
Seguindo na analogia fluvial, é conveniente incorporarmos também a imagem dos canais que se ramificam em avulsão. Estes ramos instituiriam o timbre 'Matizes'" (p. 7)]
Link 1: http://www.15snhct.sbhc.org.br/trabalho/view?ID_TRABALHO=1440
Link 2: http://www.15snhct.sbhc.org.br/resources/anais/12/1470699002_ARQUIVO_Completo(ReisJr).pdf