sexta-feira, 25 de abril de 2008

[PB11] Considerações a respeito da geografia neopositivista no Brasil

Geografia (Rio Claro/SP)
[volume 29, número 3, p. 355-382, Set./Dez. 2004 - primeiro autor: José Carlos Godoy CAMARGO, UNESP/Rio Claro]
CONTEXTUALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA TEORÉTICA E QUANTITATIVA EM SUA OCORRÊNCIA DOMÉSTICA. SÃO COMENTADOS OS PAPÉIS-CHAVE DE CERTOS AGENTES (INSTITUIÇÕES E GEÓGRAFOS), TAIS COMO OS PERTENCENTES AOS QUADROS TÉCNICOS DO IBGE E AO CORPO DOCENTE DA FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIO CLARO.
["O movimento de renovação da Geografia, no pós-guerra, se deu principalmente nos países anglo-saxônicos, destacando-se os EUA e a Inglaterra, mas logo se espargiu por outros países. No Brasil, esse movimento começou a ser divisado no final da década de sessenta, sensibilizando alguns geógrafos mais progressistas e se instalando em algumas instituições oficiais, onde se praticava a pesquisa e/ou o ensino da Geografia." (p. 375)]
LINK#1: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/ageteo/article/view/1064
LINK#2: http://repositorio.unb.br/handle/10482/5917
[http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/5917/1/ARTIGO_ConsideracoesGeografiaNeopositivista.pdf] 

[PB10] Geografia física e "'nova' nova geografia" em Antonio Christofoletti

V Simpósio Nacional de Geomorfologia, I Encontro Sul-Americano de Geomorfologia
["Geomorfologia e Riscos Ambientais", 02-07 Ago. 2004, UFSM, Anais, 15f.]
[Eixo Temático "Epistemologia e Ensino de Geomorfologia", 03 Ago.]
DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS PARCIAIS DA ENTÃO PESQUISA DE DOUTORADO EXAMINADORA DA OBRA CIENTÍFICA E DA ATUAÇÃO PUBLICITÁRIA DO GEÓGRAFO BRASILEIRO, ANTONIO CHRISTOFOLETTI (1936-1999). TENTAVA-SE DEMONSTRAR ALGUNS ELEMENTOS DISCURSIVOS PELOS QUAIS FICASSE SUFICIENTEMENTE CLARO O EMPENHO DO GEÓGRAFO EM FAZER VER UMA "CONTINUIDADE MODERNIZADA" DO MOVIMENTO DE RENOVAÇÃO METODOLÓGICA (INSTAURADO HÁ CERCA DE CINQÜENTA ANOS).
["Christofoletti, temos para nós, foi empunhador longevo da bandeira pró-modernização. Afirmamos isso [...] porque, mesmo em textos seus dos anos noventa (portanto, distados algo da referida época), permaneceu - sem titubeio aparente - aberto às modernizações terminológicas e técnicas em ciência. A nosso juízo, esta sua crença atemporal na permeabilidade da fronteira geográfica, vem a significar que, para si, nossa disciplina tem de estar aberta à assimilação (ponderada, é certo) de ferramentas alienígenas que o geógrafo suspeite ser potencialmente úteis." (p. 13)]
SOLICITE UMA CÓPIA! (dantereis@unb.br)

segunda-feira, 14 de abril de 2008

[PB9] A nova geografia no pensamento brasileiro: resumindo Faissol (1923-1995) para entender Christofoletti (1936-1999)

VI Congresso Brasileiro de Geógrafos (Goiânia/GO)
["Setenta Anos da AGB: As Transformações do Espaço e a Geografia no Século XXI", 18-23 Jul. 2004, AGB/UFG, Anais, 7f.]
[Espaço de Diálogo "História do Pensamento Geográfico", 19 Jul.]
COMUNICAÇÃO DO ROTEIRO E ANDAMENTO DA PESQUISA DE DOUTORADO - DESENVOLVIDA JUNTO AO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNICAMP. DADO QUE O OBJETO DA INVESTIGAÇÃO CONTINUAVA SENDO A "GEOGRAFIA TEORÉTICA E QUANTITATIVA" NA SUA VERSÃO BRASILEIRA, ACHOU-SE OPORTUNO EXPOR, NUM PARALELISMO SEMI-COMPARATIVO, A PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS DOIS GEÓGRAFOS QUE MONOPOLIZAVAM NOSSAS ANÁLISES HAVIA JÁ TRÊS ANOS. A IMPORTÂNCIA "DIVULGADORA E REFLEXIVA" DE TAIS PRODUÇÕES É O QUE CONSUBSTANCIA ESTA COMUNICAÇÃO.
["Nosso contato parcial com a produção científica de Christofoletti nos permite antever que o geógrafo, tal qual verificamos no caso de Faissol, jogou papel relevante da divulgação dos predicados (mas também dos riscos) da empresa neopositivista em Geografia: uso de técnicas quantitativas, de modelagem abstracionista, de teorias alienígenas, de fraseologia sistêmica e seus reflexos epistemológicos no seio da disciplina." (p. 5)]
{ERRATA: Faissol, em verdade, faleceu no ano de 1997 (a informação correta consta em nossa Dissertação de Mestrado (REIS JÚNIOR, 2003), consagrada a seu pensamento geográfico}
SOLICITE UMA CÓPIA! (dantereis@unb.br)

segunda-feira, 7 de abril de 2008

[PB8] A inserção da atividade turística em espaços agrícolas familiares: alternativa derradeira ou excepcionalidade provisória?

Ágora (Santa Cruz do Sul/RS)
[volume 10, número 1/2, p. 281-298, Jan./Dez. 2004]
BREVE CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA DA "MULTI-FUNCIONALIDADE" DO MEIO RURAL BRASILEIRO - UM FENÔMENO COLATERAL À PERDA DE COMPETITIVIDADE EXPERIMENTADA POR ALGUNS ATORES NESSE ESPAÇO ECONÔMICO. CHAMAMOS A ATENÇÃO PARA A ATIVIDADE TURÍSTICA (ESPECIALMENTE EM PEQUENAS PROPRIEDADES) E A TRATAMOS SEGUNDO A HIPÓTESE DE QUE ELA NÃO DEVE SUBSTITUIR INTEGRALMENTE O (HISTÓRICO) OFÍCIO AGRÍCOLA LOCAL ... SOB PENA DO PEQUENO EMPREENDEDOR TORNAR A EXPERIMENTAR O INSUCESSO.
["A cena contemporânea, caracterizada pela estreiteza 'todo-parte', isto é, pela interdependência entre [sic] os fenômenos global e local, dá margem à ruptura de formas pouco evoluídas de capitalização. Em sintonia com este fato, os lugares, na luta por conservarem minimamente suas relações de sociabilidade e trabalho, muito previsivelmente vão repensar a estrutura econômica sobre a qual se assentam (ou pelo menos é isso que deles se espera)." (p. 288)]
SOLICITE UMA CÓPIA! (dantereis@unb.br)