quarta-feira, 29 de junho de 2016

[PB70] Epistemologia e linguagem: conjectura de um "modelo de correspondência" e ensaio-teste em um experimento preliminar

Geographia Meridionalis (Pelotas/RS)
[volume 2, número 1, p. 63-83, Jan./Jun. 2016 - outros autores: E. Soares; L. Moura; R. Bezerra (graduandos, Geografia/UnB)]
APRESENTAÇÃO DO DESIGN E RESULTADOS DE UM PROGRAMA DE PESQUISA QUE OBJETIVOU DEMONSTRAR A ARTICULAÇÃO RELATIVA ENTRE DETERMINADAS "ESCOLAS DE PENSAMENTO CIENTÍFICO" (DO TIPO "GEOGRÁFICO", NO CASO) E CERTOS "SISTEMAS DE PENSAMENTO FILOSÓFICO" - TOMANDO POR MEDIADOR DE CORRESPONDÊNCIA O VOCABULÁRIO. ASSIM, FOI INTENÇÃO DOS AUTORES SUBLINHAR A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DE EPISTEMOLOGIA DA GEOGRAFIA DEVOTAREM MAIOR ATENÇÃO AOS RECURSOS METODOLÓGICOS DA LINGUÍSTICA.
[extrato: "... de hábito, os pesquisadores em 'HPG' tendem a ressaltar sobretudo o ângulo externalista das investigações epistemológicas; quer dizer, dão especial realce a questões ligadas à conjuntura na qual 'agentes e valores', digamos assim, parecem figurar como decisivos para a concepção e/ou retransmissão de ideários e práticas científicos. Menos frequentes são as pesquisas debruçadas sobre a identidade filosófica dos discursos geográficos (sendo que nos referimos, em particular, a uma rara preocupação em comprovar/refutar essa presumida identidade); tanto quanto são poucos os estudos que não se restringem ao mero aspecto das tradições discursivas dessa ou daquela coletividade de cientistas. Apesar de que, ainda assim, eles estejam de fato sintonizados com o grande tema 'linguagem', pensamos que estes segundos estudos (guiados pelos insights de autores-ícone, tais como M. Foucault e P. Bourdieu) negligenciam aquilo que talvez até entendam ser pobre ou 'analítico demais': os estigmas linguísticos que fatalmente derivam daquelas tradições." (65)]
LINK: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/Geographis/article/view/6178

Nenhum comentário: